segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Boas Notícias...


"Foi publicado no Diário da República n.º 2, Série II, o Despacho n.º 47/2010 que institui um apoio financeiro, que tem por objectivo compensar os agricultores pelo custo da energia (electricidade) utilizada nas actividades de produção agrícola e pecuária no ano de 2010.
O apoio financeiro aplica-se no território continental e tem por objecto, exclusivamente, a energia utilizada na produção agrícola e pecuária, num período de 12 meses, cujo início ocorrerá até 31 de Maio de 2010.
Podem beneficiar deste apoio os agricultores cuja actividade se inclua numa das descritas nos grupos 011 a 015 da secção A, divisão 01 das CAE Rev. 3, aprovadas pelo Decreto-Lei n.º 381/2007, de 14 de Novembro.
O prazo de candidatura será definido através do Despacho do Ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas para apresentação do Pedido Único."
(Texto extraído integralmente do site do MADRP).

Este apoio é de 20% sobre a factura da electricidade, desde que se comprove que o contador serve única e exclusivamente o uso agrícola, pelo que, em casos que o contador seja o mesmo que serve as habitações o agricultor não beneficiará de qualquer tipo de ajuda.
Esta medida só peca por tardia e vem repor uma injustiça cometida pelo anterior executivo.
Outra boa notícia é que Bruxelas autorizou que as ajudas aos agricultores do Oeste sejam comparticipadas até 75% a fundo perdido.
Estas duas notícias são uma réstea de esperança no negro figurino da agricultura Portuguesa, como tal, o Horticularidades congratula-se com as medidas e com as atitudes deste Ministro que, a continuar assim, vai no bom caminho!

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

E tudo o vento levou....

Que imagem é esta?
Nada e tudo!
É com esta ambiguidade que o governo e os partidos da oposição encaram a agricultura nacional e é com a mesma desfaçatez que prometem tudo e não dão nada; que nada falam e que tudo dizem...
Esta imagem, mais do que a imagem de destruição provocada pelo temporal na Região do Oeste, é a imagem de um País falido de ideias, de linhas orientadoras e estruturantes e de políticas sérias e a sério - é Portugal!
A agricultura Portuguesa tem andado nas mãos de incompetentes e gabarolas de alta postura e elegante presença em corredores de Bruxelas e outras agremiações de coisa nenhuma, pagas com o nosso dinheiro, feitas para nós...
A agricultura Portuguesa (cerca de 275 000 explorações) deveria merecer mais respeito porque afinal emprega pessoas, contribui para o PIB, e alimenta pessoas, inclusivée os deputados, ministros, secretários, assessores e outros tantos marajás que sumptuosamente se exibem nas ruas da nossa desgraça!
O que aconteceu na Região do Oeste a Agricultores e Suínicultores poderia ter acontecido à Auto-europa, ao Palácio de Belém, a S. Bento ou à sede do Banco de Portugal, ou até mesmo à "Quintinha do Ministro ou ao Monte Alentejano do Secretário de Estado", mas não, aconteceu ao Zé, ao Manel, ao João... aconteceu a pessoas com nome, com rosto, com compromissos com a banca, com funcionários...
Pois, de facto, o que se passou é obra do S. Pedro, mas o que se poderá fazer para amainar a ira do mesmo já pode ser obra de S. Bento!
Há pessoas que nunca mais se vão endireitar, pessoas a quem "Tudo o Vento Levou", pessoas que jamais se "Erguerão do Chão", pessoas com "Todos os Nomes"...
Pior do que a intempérie é a forma de resolução dos problemas, e isso, nem o Governo nem as oposições querem fazer, pois "falam, falam e não os vejo a fazer nada..."
Sabem quanto custa um hectare de estufas danificado? Não sabem, pois não! Eu digo:- 10 a 12 euros por metro quadrado, e, pelos vistos, o vento levou 600 hectares nas garras da sua fúria!
Que ajudas? PRODER? ahhhhhhhhhhhhhhhh, deixem-me rir! Este quadro comunitário (2007 a 2013), está a 3 anos do fim e ainda mal começou!
50% a fundo perdido? E o resto? Ahhhhhhhhhhhhhh, deixem-me agora chorar. Se os agricultores não têm dinheiro como pagam esse emprétismo mesmo que com juros baixos, mesmo que com juros a zero?
Seguradoras? Ora aí está! Façam um périplo pelas mesmas e falem em contratar seguros para estruturas agrícolas (estufas) e depois digam alguma coisa por favor. Aí sim, era mais proveitoso a intervenção do estado para beneficiar seguros a sério a preços sérios, em vez de promessas e medidas que só levarão a um endividamento maior... pois, mas se fossemos banqueiros corruptos, já éramos intervencionados em nome de....(?) (pois, já nem sei em nome de quê!)
Bom, apenas um desabafo, até porque este blog também pode ser feito disso!
Aos meus colegas Agricultores que foram afectados pela contraiedade climática um bem haja e um abraço carregado de força, estimulo e perseverança, sem nós este país ainda seria bem pior...!
foto: web