segunda-feira, 29 de março de 2010

INEVITABILIDADE...



É uma inevitabilidade e não adianta muito perder tempo com contemplações do foro filosófico!
Se perscrutarmos pelos infindáveis labirintos da blogosfera, por certo, encontraremos milhares de artigos contra e outros tantos a favor dos OGM (Organismos Geneticamente Modificados) - é um facto!
Em quem acreditaremos? Pois não sei, apenas sei que a polémica está ao rubro e cada vez mais as empresas multinacionais (BASF, MONSANTO...) apresentam produtos GM (geneticamente modificados) e cada vez mais as autoridades corroboram e dão pareceres favoráveis, daí o título deste artigo.
Agora a União Europeia autorizou uma batata GM - Amflora - que poderá ser utilizada na indústria da celulose ou na alimentação animal.
"Após uma revisão completa e minuciosa de cinco casos de OGM que estava esperando, eu senti claramente que não novas questões científicas devem ser analisados como antes. Todas as questões científicas, especialmente em questões de segurança, têm sido objecto de rigorosa análise ", Disse John Dalli, Comissária para a Saúde e Consumidor da CE.
No entanto, apesar da aprovação da CE sobre os OGM, as organizações ambientais, como a Amigos da Terra, CECU, COAG, Greenpeace denunciou hoje a autorização do cultivo de batatas, que contém um gene que o torna resistente a certas antibióticos, e pediram a proibição do cultivo na Europa.
ONGs alertam que essa cultura é "Um risco inaceitável para a saúde dos seres humanos, animais e do ambiente". Uma vez que a Organização Mundial da Saúde e da Agência Europeia de Medicamentos também alertou para a importância de antibióticos afetados pela batata Amflora porque a presença dos campos de batata poderia aumentar a resistência de determinadas bactérias aos antibióticos em tratamentos para a essencial tuberculose.

Ora, andamos nós no meio do diz que diz e ficamos cada vez mais confusos no emaranhado de informação...
Não é bom que a confusão se generalize porque poderemos estar a ser injustos com quem quer que seja se tomarmos partido por um dos lados da barricada, e enquanto agricultor quero de facto que me coloquem ao dispor variedades produtivas, resistentes a certas pragas e doenças com os consequentes ganhos em termos de competitividade e ganhos ambientais pela redução de aplicação de produtos fitofarmacêuticos. Como consumidor quero ser esclarecido dos reais malefícios...
O que não quero é ser mais um "mal informado", pois sou produtor e quero agir em cosnciência.
Também sei que não vou ser esclarecido tão cedo, o que quero, e exijo, é que a rotulagem dos bens de consumo seja obrigatória, clara e inequívoca, para que o consumidor possa, na prateleira do supermercado, fazer a sua escolha - essa será a melhor forma de os fomentar ou abolir de vez, pois o que não se vende não se cultiva!
fontes: site phytoma, site tsf
Nota: barra lateral do blog uma reportagem da tsf sobre o tema